Treinos longos são bons para aumentar a massa muscular?

Treinos longos são bons para aumentar a massa muscular?

Entenda como os treinos longos podem ajudar você a ganhar massa muscular e aproveite esta modalidade de exercícios.

1
COMPARTILHE
treinos longos o masculino
Treinos longos também são muito importantes para o crescimento muscular. Foto: Shutterstock

Cada especialista em educação física defende um tipo de treino como o melhor para alcançar os seus objetivos, que na maioria das vezes se trata de ganhar músculos ou entrar em forma. Esta variedade e a maneira com a qual eles defendem acabam nos dando a impressão de que um é melhor que outro. Por isso, a pergunta que fazemos hoje é: treinos longos dão resultado?

Antes de tentar responder a pergunta sobre os treinos longos, é preciso ter sempre em mente que qualquer atividade física deve ser feita com o acompanhamento profissional, que é uma forma também de ajustar de maneira mais eficiente a atividade à sua realidade e objetivos que pretende alcançar.

Leia também:

Exercícios intensos sem exaustão melhoram o humor dos jovens

Vigorexia: quando a insatisfação com o corpo vira doença

Boa forma: conheça os erros mais comuns ao tentar emagrecer

Treinos longos como alternativa

Também conhecido como treino de alto volume, os treinos longos podem sim dar resultados. É fato que este tipo de atividade sacrifica a intensidade em troca de uma quantidade maior de exercícios e repetições, tornando o treino mais longo. Existem diversos estudos que afirmam que a intensidade é importante para alcançar a hipertrofia, por exemplo, mas não é determinante.

Em defesa dos treinos longos como caminho para a hipertrofia, um estudo publicado na Eur J Appl Physiol (em 2015) mostra um panorama interessante. A pesquisa contou com 27 homens, separados aleatoriamente em 3 grupos distintos (grupo de controle, grupo de exaustão e grupo de treinamento de força).

Isso acontece, de acordo com estudos, pelo fato de que o acumulo metabólico é um fator contribuinte para a maior síntese de GH (hormônio do crescimento) e de outros componentes hipertróficos, como o aumento da mTOR, no qual o treino de alto volume possui maior contribuição.

Vale a pena lembrar que o corpo de cada pessoa pode reagir de uma maneira diferente em relação ao que se faz com ele, o que torna ainda mais importante o acompanhamento de um profissional.

Treinos longos ou intensos: o que escolher?

O que você precisa ter em mente é que, independente de sua diferença, você terá que alternar entre os dois em algum momento. Uma coisa que pode ser determinante é a rotina de cada pessoa, uma vez que não é fácil incluir um treino longo no dia a dia de quem trabalha muito, por exemplo. Por isso, uma dica importante é incluir na sua periodização os treinos mais intensos e os mais longos, sempre de acordo com a sua disponibilidade e adaptação a cada um deles.

Vale lembrar que seja qual for sua preferência, o mais importante é manter-se em movimento e contar com a opinião e acompanhamento de um profissional.

1 COMENTÁRIO

  1. É incrível como cada pessoa reage de forma diversa a um treino e não poderia deixar de ser diferente. As pessoas tem metabolismos diferentes, percentuais e predominâncias de fibras brancas e vermelhas totalmente diferentes, qualidade do tecidos musculares diferentes. Em virtude disso fica claro que o tipo de treino é individualizado portanto diferenciado.

    A coisa se complica quando é levado em consideração os objetivos, ou seja, a musculação é uma atividade acessória a um esporte que se tem como atividade principal? Quando chegamos a esse ponto há a necessidade de um treinador ESPECÍFICO que entenda sobre o esporte do demandante e achá-lo é como procurar uma agulha no palheiro.

    Só para se ter uma ideia vou narrar algumas variáveis presentes na situação acima, ou seja a situação de um ciclista que se prepara visando uma competição onde 90% do tempo é direcionada para montanhas de fortes aclives. O treino de musculação terá que ser específico para essa situação.
    Já o mesmo ciclista que se prepara para, por exemplo, os 100 Km do Desafio de Anchieta onde não há montanhas na acepção da palavra, apenas um “topete” ali e outro “acolá” ladeirinhas que não ultrapassam 500 m de distancia e de no máximo 3% de inclinação. O treino de musculação terá que ser totalmente diferente do caso do parágrafo anterior.

    A outra variável que particularmente acho a mais difícil de ser controlada: O volume de treino ou seja, o tempo que irei me dedicar à musculação e em que intensidade ou seja a carga, a quilagem que irei utilizar. Dependendo do que for feito nesse quesito a musculação passará a competir com a atividade do ciclismo, jogando os treinos do esporte principal, ciclismo, por terra. É a hora em que o atleta perde performance, entra em exaustão e se lesiona e o diagnóstico é quase sempre aquele, “trauma por esforço no esporte”, com direito a perda de massa muscular, descalcificação e desmineralização óssea e agressão ao tecido conjuntivo. Já vi esse filme! E a recuperação traz muitas vezes a sensação de ter que começar do zero.

DEIXE UMA RESPOSTA