Começar a correr: veja os 10 erros mais comuns

Começar a correr: veja os 10 erros mais comuns

Saiba quais são os erros mais comuns ao começar a correr e evite as lesões e a perda de motivação na atividade!

0
COMPARTILHE
correr o masculino
Evitar os erros mais comuns ajuda a prevenir lesões e manter-se motivado. Foto: Shutterstock

Cresce a cada dia o número de pessoas que decidem começar um novo esporte, sendo que um dos que ganha mais adeptos atualmente é a corrida. Seja por prazer, para se manter em forma, cuidar da saúde do corpo ou mesmo entrar em forma para estar bem no verão, pessoas querem começar a correr, mas não sabem o que precisam fazer para evitar problemas. Por isso decidimos apresentar os 10 erros mais comuns de quem começa a correr, com base nos ensinamentos do professor e preparador físico William Chanconie.

Chanconie afirma que o que você deve ter em mente é que se manter afastado de lesões é também uma maneira de maximizar seu capital de bem-estar, mantendo-se também motivado por muito mais tempo. Antes de falar diretamente dos erros mais comuns, o professor também lembra que é preciso fazer um investimento mínimo para não colocar a sua saúde em risco. “Se você pega um tênis que já tem, que certamente não é apropriado para a corrida, pode ser um problema. Você vai economizar dinheiro, mas vai se sentir desconforto e dor durante a corrida, podendo eventualmente se machucar”, diz.

William Chanconie reforça que é preciso comprar o seu par de tênis de acordo com a sua morfologia e seu ritmo de treinamento, o que tem a ver com os seus objetivos com a corrida. “Durante uma sessão de corrida, cerca de seis vezes o peso do nosso corpo recai sobre as articulações. Então, se você está um pouco acima do peso, precisa de tênis que possa promover uma boa absorção de choque”, destaca.

O que não fazer ao começar a correr?

Se concentrar apenas no esforço

Há um ditado que afirma que a força mental pode mover montanhas, mas para isso ela precisa ser bem canalizada. Quando nos concentramos muito no esforço, o tempo parece passar mais lentamente e todo o processo fica bem mais doloroso. Experimente desligar-se do exercício em si, mantendo sua atenção no caminho que está percorrendo, ouvindo música, mas sem tirar seus objetivos ou metas do foco principal.

Correr com alguém mais forte do você

Sabemos que correr sozinho não é tão gostoso assim, o que torna o exercício praticado em dupla ou grupo mais motivador. Mas é preciso ficar atento para que isso não te prejudique. Se você está começando e resolve correr com alguém que pratica o esporte há mais tempo, duas coisas podem acontece: ou você terá que fazer um esforço muito acima do seu potencial para acompanha-lo, o que aumenta os riscos de lesão, ou a pessoa terá que diminuir o ritmo para que você possa acompanhá-lo, o que prejudicará o desempenho dele também.  Isso pode levar à perda da motivação e, por consequência, ao abandono do esporte. Procure pessoas que estejam no mesmo estágio que você ou corra sozinho no começo, até que tenha melhores condições para acompanhar seus amigos.

Exagerar nas metas

Você sai de casa determinado a correr por 30 minutos sem parar, mas logo nos 8 primeiros já começa a ficar ofegante, começa a andar e pouco tempo depois está sentado sem vontade nem mesmo de sair do lugar. Frustração é o nome disso. Se você está começando a correr, vá devagar. “Para continuar motivado e não desistir, devemos ir devagar. Caso contrário, nós rapidamente nos cansamos da atividade por forçar demais o corpo, que não está acostumado a fazer tanto esforço”, diz William Chanconie.

Ajuste suas metas à sua capacidade e vá aumentando aos poucos, para que seu corpo evolua com o tempo. Você pode começar a correr fazendo 3 sessões de 10 minutos de corrida, intercalados com 5 minutos de caminhada, aumentando o tempo de corrida ao passo que reduz o de caminhada gradualmente (semana a semana).

Sobrecarregar o corpo

Se você conseguiu com folga atingir a meta da sua primeira sessão e se impressionou com os resultados, não exija que seu corpo suporte a mesma sessão quatro vezes por semana. “Ao iniciar um esporte o corpo não consegue absorver muito esforço. Ele se cansa e se torna frágil, o que pode levar a lesões”, diz preparador físico lembrando que ao começar a correr é preciso dar ao corpo um período maior de descanso.

Se obrigar a correr como os corredores profissionais

Isto pode até ser a sua meta, mas não pense que você já vai começar neste ritmo. “Correr em velocidade de cruzeiro é ser capaz de falar ao mesmo tempo”, lembra o profissional, ressaltando que “quando a respiração é forçada, o abdome se contrai, o que pode causar fadiga precoce e hiperventilação. Para ter sucesso, comece a correr suavemente e tente ter uma conversa com seu colega”.

Querer aumentar seu ritmo imediatamente

Se após uma semana de atividade você já está impaciente e querendo mudar para uma velocidade superior de corrida, isto pode ser um problema. “Um ritmo que é aumentado logo no início não é natural. Ele obriga o esqueleto a trabalhar de forma diferente sem que os músculos possam dar este suporte. Para evitar lesões é necessário fazer um fortalecimento muscular, o que você só vai conseguir depois de várias sessões de exercícios”, alerta William Chanconie.

Correr em jejum

Se seu objetivo com a corrida é perder peso, pode em algum momento se sentir tentado a correr em jejum para emagrecer mais rapidamente. Mas isto é um grande erro. Não comer adequadamente antes da atividade pode causar um grande desconforto e também inchaço, por isso é tão importante reabastecer a energia do corpo antes do exercício. Por isso, “adicione carboidratos à sua dieta. Na parte da manhã, coloque açúcar ou mel em seu chá ou café. Durante a pausa para o almoço ou à noite, coma uma fruta para repor açúcares antes de seu treino. Também se lembre de manter-se hidratado”, destaca o treinador.

correr o masculino
Aproveite o máximo que o esporte pode te proporcionar sem errar no começo. Foto: Shutterstock

Definir se treina ou não pelo clima

Para que você não perca a motivação é preciso manter a frequência da atividade, independente de como está o clima. É claro que é essencial adaptar-se a cada situação, seja mudando o tipo de roupa usada, o horário, o lugar para praticar, etc. O mais importante é não deixar de lado a atividade, pois seu corpo pode se acostumar com a falta de exercício e você terá que começar do zero depois.

Forçar no final da corrida

É normal que você queira se manter motivado na corrida e dar aquela aumentada de ritmo no finalzinho da atividade, para manter aquele ‘gostinho de quero mais’. Acontece que isto pode ser prejudicial ao seu corpo. “Um sprint final exige um novo fornecimento de energia, que certamente já foi utilizada pelos músculos durante o exercício. Assim, o corpo vai buscar as reservas do corpo para outras áreas, como do cérebro, o que pode causar tonturas ou uma fadiga muito grande”, disse o treinador, lembrando que o melhor é ir encerrando com a diminuição do ritmo, terminando com uma caminhada para se recuperar.

As informações são do jornal Le Figaro.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA