Satisfação sexual: Brasil é o 4º entre 26 países

Satisfação sexual: Brasil é o 4º entre 26 países

Estudo feito por grande marca de preservativos mostrou ainda que apenas 44% dos entrevistados afirmaram que estão satisfeitos sexualmente.

0
COMPARTILHE
satisfação sexual o masculino
Brasil aparece em 4º lugar no ranking de satisfação sexual. Foto: Shutterstock

Uma pesquisa feita pela marca de preservativos Durex, uma das maiores do mundo, mostrou dados interessantes – e porque não, surpreendentes – sobre a satisfação sexual da população. O estudo, que contou com a participação de 26 mil pessoas em 26 países diferentes apontou que o sexo é considerado divertido, agradável e uma parte essencial da vida, apesar de que apenas 44% afirmaram que possuem um bom nível de satisfação sexual.

Leia também:

Como se aprende sexo?

Qual a duração ideal da relação sexual?

Promiscuidade no sexo nem sempre vale como experiência

Satisfação sexual

As surpresas não param aí. Segundo o levantamento, a Suíça é hoje o país com o maior nível de satisfação sexual entre todos os pesquisados, sendo seguida pela Espanha e Itália, com o Brasil na quarta posição. A lista dos 12 mais satisfeitos continua com a Grécia, Holanda, México, Índia, Austrália, Nigéria, Alemanha e China.

Um dado que também chama a atenção é que a satisfação sexual das pessoas vem diminuindo a cada ano, se forem comparados os resultados com os das pesquisas anteriores. Antes que pensem que o nascimento de um filho vem gerando impacto na vida sexual dos casais, o próprio estudo mostrou o que isto não pode ser tomado como explicação.

É importante lembrar que os fatores mais significativos para que se tenha uma vida sexual satisfatória muda de acordo com cada país, apesar de manterem alguns princípios mais básicos. O estresse, problemas de saúde – sejam eles físicos ou mentais, as disfunções sexuais e questões de relacionamento impactam diretamente a satisfação sexual.

Os entrevistados apontaram também que o número de relações feitas por semana e até mesmo a qualidade das ‘preliminares’ também influenciam. Ter orgasmos é, sem surpresa, um fator-chave, apesar de que apenas 48% dos entrevistados dizem que o atingem regularmente. Uma injustiça observada em todos os países é o fato de que entre estes, o número de homens que chegam ao orgasmo é duas vezes maior do que de mulheres. A média de idade que afirma estar mais satisfeita sexualmente é entre 20 e 34 anos.

Em relação às questões emocionais, a intimidade com o parceiro, uma vida ‘criativa’ e variada debaixo do edredom, além de ter guardado uma boa recordação de sua primeira experiência sexual também foram considerados como um impulso significativo para o prazer.

O respeito desempenha um papel importante, uma vez que 82% dos entrevistados que afirmam estarem satisfeitos dizem se sentir respeitados no relacionamento. Outros 39% sentem que precisam de mais amor e romance, enquanto 36% gostariam de mais tempo com seu parceiro e 27%, mais excitação na relação.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA