Enquanto houver sexo, não preciso de Prozac

Enquanto houver sexo, não preciso de Prozac

Tristeza na alma se cura fazendo amor

0
COMPARTILHE
sexo ou prozac o masculino
O prazer e todos os benefícios do sexo podem ajudar muito a curar tristezas. Foto: Shutterstock

Cabisbaixa, sentindo-se abandonada, mais uma relação que chega ao fim. Sem explicação. Vontade de dar um ‘pause’ na vida e só apertar o botão, aquele de duas listras paralelas verticais, quando a dor no coração passar. Mas aí o telefone dá um sinal. O gajo que andava sumido, em longas férias, dá sinal de vida. Não tem papas na língua. “Bom dia, linda. Como vai? Sinto falta da tua boceta”. Meerrrrrmão, faz isso não. O play liga sozinho assim, meu doce.

Leia também: 

Para quem tem tesão por cinquentão

Como perdi o tesão por Clint Eastwood (trepar é um ato político)

Por um mundo com mais sexo olímpico e menos pokemon

E, nesses casos, manda vir que e o efeito é melhor que delivery de farmácia 24 horas entregando Rivotril ou Prozac. As mãos, os beijos e a língua precisa que explora cada pedaço da tua geografia. E, quando para, é para regar a flor que andava murchinha, precisando de mel, de água, de calor, depois que o último jardineiro abandonou impiedosamente a rosa que se abrira frondosamente a ele.

E aquele beijo doce com sabor do mel da cana faz efeito. Paliativo, é claro. Mas quem vai me dizer que antidepressivo é salvação? O que cura tristeza na alma é atacar a causa com força, coragem, capacidade de renovação. O resto é perfume. Ou remedinho para amenizar a dor.

Mas quem nunca tomou uma neosaldina que vire uma estátua de sal. Sei o quanto minha crônica de hoje vai deixar histérico os puritanos. Vamos, acalmem-se. Já cansei de dizer aqui que o maior afrodisíaco da Terra é o amor. Sexo com amor, humm, é a melhor coisa do planeta.

Agora, e aos carentes de amor? Quem tem, por algum motivo cármico, dificuldades de receber o amor que deveria existir no mundo em abundância.  Faz o que? Fica sentado à beira do caminho, chorando para o resto da vida? Eu não recomendo.

Sexo tonifica, deixa as bochechas coradas, abre o apetite. E quando é feito com o parceiro que sabe tocar teu corpo com o ‘desrespeito’ necessário para se chegar ao céu, arrancando um prazer até quando dá um beijo na dobra do braço ou na palma da mão, é conveniente se entregar.

E, se depois disso tudo, ainda te dá colinho dizendo ‘Não liga para esse mané que te abandonou. Eu estou aqui, meu bem. Não vai te faltar mais nada’. Então, vem meu antidepressivo. Sei que vais embora também. Vais sumir, mas ao menos nunca me prometeste nada. Vem, meu bem. Hoje vou lhe usar. Mas as regras estão na mesa e isso não tem preço.

Ruim é quando o sexo vem embalado em falsas promessas de amor. Com o perdão pela crueldade, a esses desejo que nunca mais tenham uma ereção…

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA