Como perdi o tesão por Clint Eastwood (trepar é um ato político)

Como perdi o tesão por Clint Eastwood (trepar é um ato político)

Ou o que o cérebro nos diz sobre atração e rejeição

0
COMPARTILHE
ato político o masculino
Em certos casos trepar ou não se torna um ato político. Foto: Shutterstock

São muitos os aspectos envolvidos numa atração sexual. Inclusive já discutimos aqui na coluna as motivações pelas quais há pessoas totalmente dentro do modelo de beleza vigente incapazes de nos estimular. Enquanto há os tímidos, os insignificantes, os magrelinhos demais, ou barrigudinhos em excesso, que nos fazem molhar a calcinha só ao vê-los passar.

Leia também: 

Por um mundo com mais sexo olímpico e menos pokemon

Ele te agrada quando está pelado?

Cenas de um domingo ousado

Há ainda quem associe tesão ao cérebro. Tenho uma amiga mestre em atrair-se por homens fora dos padrões físicos considerados atraentes. Os seus objetos de desejo, porém, são sempre dotados de um intelecto privilegiado. Aprendi com ela a usar o termo ‘tesão intelectual’.

Um dia saí com um rapaz que conhecera num site de relacionamento. Eu o achei mais bonito pessoalmente do que nas fotos. E ele me disse: “será que não é por causa da conversa? Pois eu achei você tão bonita quanto nas fotos, mas sua conversa inteligente e o fato de você não ser eleitora da Front National (o partido de extrema direita francês) faz você ser ainda mais atraente”.

Eu ri e refleti. E não é que ele tem razão? Dos eleitores de alguns políticos brasileiros (dos quais não cito nomes para não dar cartaz e nem margem a seus defensores) eu posso até me tornar amiga e ficar tentando conscientiza-los das coisas etc… Mas namorar, me sentir atraída? Sinceramente? Jamais. Algumas posições políticas me tiram o tesão.

Foi o que aconteceu recentemente com um dos meus maiores sex symbols. O ator americano Clint Eastwood manifestou seu apoio ao candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump – conhecido por seu viés racista e sexista.

E o pior para mim são as justificativas: ‘eu não sou racista, mas concordo com um monte de outras questões da plataforma de Trump’, disse o galã de A Ponte de Madison.

Mas eu não consigo mais achar graça em quem defende um político com ideias reacionárias. Sei que o Eastwood não está nem aí pra mim. Mas eu só queria aproveitar esse espaço e me manifestar para dizer, meus chuchus, que sexo é algo muito precioso para ser compartilhado com quem ainda levanta bandeiras muito distintas de nossas convicções. Porque trepar também é um ato político.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA