Calçados para o inverno 2016: campanha realista e musical

Calçados para o inverno 2016: campanha realista e musical

Marca de calçados lança campanha realista e com uma pegada musical

0
COMPARTILHE
calçados inverno 2016 o masculino
Imagem: Divulgação

Uma das principais marcas de calçados masculinos do país busca a essência em pessoas reais e convoca a O2 Filmes para gravar quatro músicos, criando uma música conceitual em um dia, tendo os pés como personagem principal

Com 33 anos de história, a Democrata traz para o inverno 2016 uma campanha diferente de tudo o que já produziu. A marca de calçados masculinos adotou um novo posicionamento, tendo como pano de fundo pessoas reais, e convidou quatro músicos de estilos diferentes, que nunca cantaram juntos, para um grande desafio: em um dia, entrar em harmonia e encontrar um compasso para criar uma canção representando cada uma das linhas dos novos calçados da marca.

O filme de 2’15’’, dirigido por Stefano Capuzzi Lapietra e produzido pela O2 Filmes, faz um paralelo entre os diferentes estilos musicais e de vida de cada artista, mostrando que os calçados Democrata foram feitos para todo tipo de homem.

Enredo

Gravado na Vila Madalena, em São Paulo, o vídeo traz os pés como grandes protagonistas da história. Através dele, o ritmo de vida de cada um, os passos na música e o estilo são representados sempre por um tipo de sapato. Eduardo Brechó, músico popular brasileiro, é o responsável pela composição da letra e representa a linha Denim. Nereu Gargalo, sambista de raiz, representa a linha Smart Confort e é responsável pela proposta de arranjo, ao lado de Raphael Zarella, músico de alma roqueira que representa a linha Garage. Por fim, Daniel Grajew, músico erudita, dá forma às melodias no piano, representando a linha Metropolitan.

Sobre os músicos

calçados inverno 2016 o masculino
Imagem: Divulgação

Eduardo Brechó: conhecido por alguns como poeta, por outros como DJ, por outros como compositor e produtor. Pelos mais íntimos é conhecido por fazer o que gosta em termos de música. Hoje se dedica principalmente ao projeto de música preta autoral “Aláfia”, banda que está lançando seu primeiro disco e é presença frequente nos palcos da noite paulistana. Brechó calça 43.

Nereu Gargalo: músico, percussionista, cantor e compositor. Tem 68 anos, sendo 42 de trabalho musical. Um dos percursores do samba-rock, ritmo que praticamente criou e difundiu com o seu Trio Mocotó, grupo que acompanhava Jorge Bem e depois seguiu por conta própria. Nereu Gargalo hoje tem carreira solo com seu Nereu, Mocotó & Swing, com o qual chegou a receber o prêmio APCA em 2005.

Raphael Zarella: cantor, compositor, locutor, tem 39 anos e é paulistano. Começou cantando aos 16 anos no show de calouros do “Raul Gil” e venceu 20 duplas sertanejas durante duas semanas. Raphael se apresentou em festivais e aos 17 já cantava na noite. Passou por diversas bandas e ingressou no universo dos jingles, onde canta até hoje. Ele tem curso de locução e se profissionalizou no assunto. Já dividiu o palco com muitos músicos da pesada como “Ney Matogrosso”. Zarella já gravou cinco discos, todos com músicas autorais. Raphael calça 41.

Daniel Grajew: com um talento expressivo tanto para a música popular quanto erudita, o pianista, compositor e arranjador Daniel Grajew nasceu na cidade de São Paulo. Iniciou os estudos musicais aos 11 anos, com o piano clássico, passando a tocar bateria aos 14 anos, desenvolvendo em paralelo o gosto tanto pela acuidade e refinamento da música erudita, como pela leveza e espontaneidade da música popular, incluindo o jazz, blues, ritmos latinos e a música brasileira em especial. Sua formação inclui passagens por escolas de música de São Paulo como o Conservatório de Tatuí, a Universidade Livre de Música “Tom Jobim” (ULM), a Universidade de São Paulo (USP Bacharelado em Piano) e aulas particulares com renomados professores tanto da música erudita como popular, incluindo: Evaldo Soares, Bira Marques, Silvia Góes, Luciana Sayuri e Nilze Kruze.

O vídeo você confere aqui: 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA