Não batam boca, não batam panelas. Batam outras coisinhas…

Não batam boca, não batam panelas. Batam outras coisinhas…

Colunista conversou com especialistas para entender que masturbação também vale a quem tem um relacionamento

0
COMPARTILHE
masturbação o masculino
Mesmo para quem tem um relacionamento estável a masturbação é considerada normal. Foto: Shutterstock

 

A discussão girava em torno de uma amiga, casada, que ‘pegou’ o marido se masturbando e a situação ficou meio mal resolvida. Embora todos saibamos o quanto isso é possível de acontecer (inclusive quantos de nós também praticamos) trata-se de uma situação não muito fácil de lidar.

Leia também:

Aquele amor que faz gostoso me deixou

Bumbum masculino: nós, mulheres, gostamos muito

Homens olham para a bunda. Mulheres, para outras partes

Como agir quando isso acontece? A psicanalista e especialista em sexualidade Diana Dahte recomenda encarar o fato com naturalidade. Afinal, não cabe ao parceiro flagrado sentir culpa e muito menos cabe a quem se deparou com a masturbação do outro se comportar como um pai repressor ou mãe castradora.

Porque sexo é bom a dois, mas é sozinho que aprimoramos as técnicas. A sexpert Tatiana Presser recomenda que experimentar o prazer por conta própria é o caminho para aproveitar melhor o sexo compartilhado.

A grande questão é o ciúme -ah! Sempre ele! A clássica pergunta que nos vem à mente é: ele ou ela pensava em mim durante o ato? E aí serei obrigada a ser bem sincera: provavelmente não.

Você pode até entrar no finalzinho, como a participação especial daquele grande ator como no filme para falar duas frases. Só para dar a cereja do bolo na hora do orgasmo.

Ou então você estará lá como coadjuvante de alguma fantasia no coletivo. Mas, sinto dizer, o mais provável é o gozo do seu amado ou amada vir através do pensamento bem longe. Algumas vezes imaginando alguém completamente desconhecido – ou vendo imagens, usual no caso dos homens.

E se masturbar pensando em alguém que não seja o parceiro é traição? A psicóloga Marlene Monteiro, especialista em terapia de casal, diz que vai depender de como cada um sente a sexualidade na relação e como são estabelecidas as regras do relacionamento.

“Eu recomendaria ao casal que se ‘flagrou’ a respeitar e encarar esse momento como exercício de libido. Em vez de protagonizar uma cena na qual um sente ciúme e o outro culpa, pense que quanto mais se pratica sexo, melhor ele fica”, diz a psicóloga.

Em outras palavras, mais vale bater uma punhetinha que transgredir a relação transando com outros parceiros (isso se a relação não for aberta). Então, meus chuchus, masturbem-se. Sozinhos, juntos, pensando em quem for.

Especialistas garantem que chegar ao prazer por contra própria não é golpe contra a relação…

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA